MÓDULO I

30 SeTEMBRO A 6 DE OUTUBRO

30 de Setembro

MIRA | Artes Performativas

Spectre

Simon Asencio

10h-12h | 16h-18h

Agentes secretos são provavelmente os melhores performers. No contexto actual, o artista está a tornar-se um agente de qualquer tipo: somos portadores do nosso trabalho através das nossas práticas. Se agenciar tornou-se uma mera ferramenta para a alma ultra-liberal, trata-se de levá-la por trás e praticar diferentes técnicas do self para desempacotar sua integridade. Ao investigar técnicas discretas, vamos praticar como nos tornarmos invisíveis, como coreografar um rumor e talvez, também como dar forma à mudança de pensamentos, juntamente com outras danças ilusórias.

30 de Setembro e 1 de outubro

MIRA | Artes Performativas

Companionship and telepathic elegance

Hana Erdman

14h-16h

Nestas sessões de práticas, iremos explorar “companheirismo” como uma ferramenta para um dançar, um modo performativo e uma forma de estarmos juntos. Observaremos o movimento e as qualidades performativas de como acompanhamos alguém e veremos que tipologias de corpos é que sugerem essas qualidades. Através de vários exercícios, criaremos sensibilidades entre espécies e modos de percepção e aplicamos estes, a situações performativas e danças. Consideraremos a diferença como uma necessidade para reconstruimos o mundo juntos e o companheirismo como um conjunto de ferramentas para coreografar a diferença.

1 de outubro

MIRA | Artes Performativas

Forms of feelings, feelings of forms

Adriano Wilfert Jensen

10h-12h | 16h-18h

Danças que abordam formas de sentimentos e/ou sentimentos de formas. Em muitas ocasiões, a dança moderna tentou oferecer oportunidades de mediação autêntica ou direta dos sentimentos dos bailarinos. A dança moderna tornou-se uma excelente oportunidade para a auto-expressão do sujeito dançante. As gerações seguintes de coreógrafos, embora que não sejam todos, estes mostraram sentimentos e auto-expressão. “Não é sobre mim” foi o slogan destes coreógrafos que procurei, e em vez disso propunham: Estrutura, dispositivo, OOO … E por boas razões. Aonde é que isto nos deixa quando se remete à função dos sentimentos na actualidade da dança?

© Crispian Chan

 

3 a 6 de outubro

Ateneu Comercial do Porto

The Octopus Practice

Daniel Kolk

10h-12h30

A Octopus Practice veio de uma conversa artística entre Daniel Kok e Elpida Orfanidou. É uma tentativa de trabalhar com a transição, tornar-se em, pensamento descentralizado, manter “diferentes bolas no ar” e um movimento em direção a uma a partilha de um estado de maravilha permanente. Nos últimos meses, os trabalhos artísticos de Daniel são estudos de caso para articular a Octopus Practice. Neste Symposium, Daniel irá partilhar algumas das estratégias atuais em que está a trabalhar e que atualmente envolvem estudos específicos da dança clássica indiana.

3 a 6 de outubro

Ateneu Comercial do Porto

Dirty Room

Juan Dominguez

14h-16h30

DIRTY ROOM é uma prática e performance – ambas as coisas ao mesmo tempo. Baseia-se no projeto intitulado Clean Room. Um projeto onde inicialmente, eu desloco as ferramentas de continuidade e periodicidade das séries de TV para o formato ao vivo do teatro. Gradualmente, o projeto passou por diferentes estados através de diferentes temporadas, de mais cognitivo para uma auto-organização para criar um espaço com uma dimensão poética. Com os participantes sempre como protagonistas, o projeto foi inspirado por conexões em série por episódios e temporadas. Outro tipo de continuidade e periodicidade que não se encontra nos modos de produção actuais das performances. Em referência às séries de televisão, trabalharemos em metodologias que também foram utilizadas em diferentes episódios do projeto Clean Room e experimentaremos alguns dos episódios – passando pela evolução de todo o projeto (até agora, o projecto Clean Room tem uma temporada piloto e as temporadas 1, 2 e 3). Os participantes não precisam de ter formação especifica em nenhuma área artística. Seria só recomendável que tivessem alguma experiência anterior em trabalhar com diferentes modos de atenção e serem abertos para diferentes tipos de situações.

3 a 6 de outubro

Ateneu Comercial do Porto

Saša Asentić

Saša Asentić

16h30-19h00

A minha prática artística é definida pela consciência das relações específicas entre as pessoas e o contexto em que essas relações são criadas. É uma abordagem ao potencial político de um encontro, em vez do trocar de produtos. Infelizmente, como artistas, temos poucas oportunidades para nos encontrarmos, pensarmos e trabalhamos juntos sem a requisição ou as expectativas para apresentar algo, ou seja, produzir algo no final do encontro como resultado da partilha. Nesta partilha de práticas, eu gostaria de convidar os artistas do Porto para examinarmos juntos e discutir as suas condições concretas de trabalho, meios de produção, preocupações artísticas e modos de organização como material base para a criação do trabalho. Neste processo, também analisaremos, em termos de coreografia social, os mecanismos que estruturam a cena local no Porto. Além disso, gostaria de propor que uma reflexão em conjunto sobre a questão do “class closet” nas artes performativas e as suas formas visíveis e invisíveis que condicionam nosso trabalho e vida.